Introdução

Muita coisa já foi escrita e falada sobre a verdadeira identidade sonora dos números em nossa vida. A aplicação prática dessa mesma sonoricidade nos intrincados caminhos de nossa existência pode ser aproveitada de forma a não nos prejudicar, mas somente ajudar a resolver e remover de forma definitiva os obstáculos que se apresentam nela, que dificultam, por assim dizer, nossa ascensão profissional ou uma maior elevação de nossa atividade sentimental e outros aspectos de nossa vida.

A matemática, a aritmética, a geometria e os intrincados e complexos cálculos matemáticos são realmente uma coisa fantástica e maravilhosa. Podemos exercitar variados cálculos e sabermos como proceder diante de certas coisas, principalmente em nossa vida, pois os números estão em toda parte, desde o corpo humano até nas plantinhas que crescem nos jardins da cidade. Quando falamos em números pensamos logo nos algarismos que os compõem.

Tudo que possamos fazer está relacionado com os números. Na vida profissional; existe certo número de anos para que possamos nos formar e começar a trabalhar. O prazo é essencialmente numérico, o ganho financeiro também está ligado aos números, a quantidade de dinheiro na vida gira exclusivamente em função dos números. o exercício livre dos algarismos, em sua composição prática, é realmente muito sério e nos permite ver essa coisa fantástica que muitas vezes foge à nossa compreensão . Os engenheiros e os economistas vivem uma vida inteira envolvidos com os números e os cálculos complexos que deixam sua marca indelével na vida humana, em sua praticidade.

No início desta civilização, quando o homem ainda não possuía uma nítida ou, mesmo, rudimentar mentalidade para trabalhar com os números e fazer cálculos complexos, escrevia em caracteres rupestres para deixar sua marca para a posteridade. Ainda assim, pelos séculos contados a partir das suas dinastias, os egípcios começaram a determinar, com certa precisão, os cálculos da pirâmide ou de seus açudes, maravilhosas barragens que até hoje permanecem no Egito.

Os cálculos e o exercício dos números, dentro da matemática egípcia, começaram a tornar-se famosos trezentos anos antes da construção da Pirâmide, ensinados para os egípcios por intermédio dos hebreus cativos. Desde aquela remota época, os hebreus já dispunham, não se sabe como, de complexos cálculos e formas de exercício de álgebra e cálculos diferenciais, só usados nas universidades de engenharia atualmente. Esses mesmos cálculos eram efetuados através de uma pequena tábua com alguns furos em que passava um camelo (barbante) bastante forte para ser esticado da melhor forma. Denominavam essa pequena peça de filacto. Onde eles aprenderam? Ninguém pode determinar. Quem os ensinou? Também é outra pergunta que permanecerá sem resposta.

O exercício dos números, através dos estudos da matemática, nos foi repassado por gregos e romanos, que os trouxeram para o Ocidente. Principalmente após as conquistas romanas na Ásia e na Europa. Eles levaram todos esses conhecimentos para Roma, que achavam ser a sede do mundo. Um general romano, chamado Licuro, fanático por números, foi quem levou os pergaminhos Ritulíir, onde estava a fórmula de como somar, dividir, subtrair, multiplicar e trabalhar com os cálculos algébricos daquela época, cálculos tão complexos que até os dias atuais os computadores têm como exatos, com margem de erro de apenas meio grau por século.

Os números, sempre exerceram grande mistério, principalmente na vida humana, e todos os homens, sem exceção, sempre estiveram envoltos com os cálculos numéricos. Eles representam vibração e força de controle em nossa vida e por esse motivo sua complexidade ativa principalmente a curiosidade humana. Existem números tidos como bons outros são taxados de ruins, não existindo uma definição clara e objetiva com relação a estes conceitos.

Número é força. Mais do que isso, é vibração, que pode ser sonora, física ou simplesmente mental. Pode se lidar com números no campo da metafísica, e nessa área encontramos a Numerologia. Precisamos estar muito bem direcionados e possuir pequeno grau de sensibilidade, para conseguir desvendar alguns mistérios que escapam ao raciocínio humano de nosso acumulado cérebro.

Os números, além de exercerem grande quantidade de mistérios, possuem outra particularidade que funciona muito nos dias atuais. Se fizermos um cálculo para estudar a personalidade de qualquer pessoa, os segredos da pessoa que estiver sendo analisada virão à tona. Por isso, ao lidar com números precisamos conhecer seus caminhos.

A Numerologia possui um campo vastíssimo para dar ao homem maior entendimento das energias latentes que possuímos e que nossos olhos não captam, a não ser os dos videntes e sensitivos mais abalizados. No campo da Numerologia, existem dois caminhos maravilhosos e que abrangem coisas diferentes, por isso não convém misturar seus dois cálculos. Divide-se a Numerologia em pitagórica e cabalística. A primeira representa tudo que foi deixado por Pitágoras e Euclides com suas famosas preposições; a segunda já é mais fechada, mas que poderá ensinar-nos grandes coisas para que possamos liberta-nos desta vida de ilusões e inçada de vícios de índole hereditária.

A Numerologia pitagórica, a mais simples e divulgada no mundo atual, compõem-se de números que vão de l a 9, passando pelo 11 e o 22. Dessa forma ajustamos o nome e os informes para levantar dados referentes à pessoa que vai ser analisada. Muitas vezes esses mesmos números podem prever acontecimentos bem antes de ocorrer o fato, coisa somente creditada aos astrólogos com os intrincados movimentos planetários que os astros lhes forneciam no triângulo aparente pelo céu. A Numerologia, hoje, começa a ser divulgada com força total e está chegando a um nível muito bom. Existem atualmente muito poucos livros que mereçam crédito, porque todas estas ciências estão infestadas de maus profissionais, elementos prejudiciais até ao conhecimento numerológico.

Os céticos não acreditam que os números possuam grande influência na vida humana e forneçam, a quem os consulte, algo de sério e comprovado. Todos os números são influenciados por forças desconhecidas, consoante já afirmava o sistema pitagórico no quinto século A.C.

A numerologia cabalística entra num campo ainda mais confuso: somente pode exercer a numerologia da Cabala quem já possua vastos conhecimentos sobre a Ordem. Sua numerologia abrange o lado físico e o lado metafísico, onde podemos observar grande desfile de anjos, querubins e outros. Devemos peneirar o máximo que pudermos dentro do campo da ciência numerológica, o que nos dará maior segurança quando julgados por nossas fraquezas.

Nossa consciência possui grande possibilidade para buscar e encontrar, incansavelmente, mistérios sem fim. Com qual objetivo? Buscar o elo que ligava o homem a “deus”, esse mesmo “deus” que, segundo os escritos de um pergaminho encontrado em plena rua do Cairo, em 1568, pode ser traduzido da seguinte forma:

“O Grande Arquiteto informou a Seth que gemetriza tudo para que fique mais fácil o controle a longa distancia.”

Se acreditarmos na veracidade deste texto nada mais lógico do que pensarmos que a própria geometria é a marca de deus. Geometria, sim, porque, de qualquer losango, esquadro ou triângulo de todos os tipos tudo isso nada mais é do que a força da numerologia atuando na representação física do mundo tridimensional onde vive o ser humano.

O Universo, com suas fantásticas galáxias e estrelas, é harmônico, a Terra, com tudo que nela há, também é harmônica, as plantas e todos os minerais são harmônicos, os animais são harmônicos. Somente o ser humano e desarmônico. Por quê? Simplesmente porque todo o íntimo do homem não tem controle emocional e quem nasce com excesso de determinado número em sua vida tem sua vivência se tornando cruel, quando o certo seria viver em plena harmonia.

A harmonia pode chegar ao ser humano através de dois métodos. Um cheio de altos e baixo e o outro equilibrado e harmonioso. o homem tende, vacilantemente, para o caminho cheio de altos e baixos. Devemos, no entanto, seguir um único caminho, sem vacilações, para que a harmonia dos números possa indicar que número devemos obedecer, como devemos assinar, e, principalmente, se devemos mudar nosso nome para alcançar essa harmonia.

Os numerólogos devem estar atentos ao fazerem isso, porque um pequeno erro, por mais simples que seja, poderá acarretar os maiores infortúnios ao consulente. O misterioso mundo dos números facilita muito nossa vida e a numerologia pode decifrar também o quanto é importante sabermos o que se descortina em nosso futuro. Nessa área a numerologia funciona graciosamente e pode definir a vida futura de quem quer que seja, possua ou não tempo para isso…

Como já dissemos, número é força e vibração. Quem tenha nascido sob a vibração do número g acabará por colidir com outros números de diferentes diapasões, somente se dando bem, talvez, com os elementos de vibração 3 ou 6.

O Universo, tão grande e aparentemente tão distante de nós, pobres mortais, também sofre o impacto da terrível miscelânea, que não é coisa perfunctória, parecendo até uma bela harmonia que, esbatida por repentina confusão, se transforma em caos, para, depois, retornar à bonança cósmica.

Os números encerram energias cósmicas, energias físicas telúricas, energias vibratórias sonoras, isso porque,, ao pronunciar o seu valor, um mantra é expelido com força, e cada um atua nos nossos chakras, podendo fazer-nos bem ou mal. Cada vibração é uma vibração à parte e cabe ao seu portador receber o que há de melhor ou não. Para isso, cada um faz o que quer muitos serão chamados, mas pouquíssimos estarão na lista dos escolhidos.

Número também é prazer. Quando nos aproximamos de alguém, e o amor à primeira vista acontece, podemos estar certos de que há vibrações iguais e energias que se adaptam através dos caminhos da numerologia. Isso ocorre sempre e de forma constante, só que, nesta era moderna de computadores e calculadoras eletrônicas, ninguém percebe nada, nem mesmo se o mundo está equilibrado.

675 Total Views 2 Views Today

Os comentários estão encerrados.